Fitas de Backup

Home > Recuperação de dados > Dispositivos > Fitas de Backup

Recuperar dados de fitas de Backup

Na OnRetrieval recuperamos dados de fitas de backup com total garantia de sucesso, se perdeu algum dado sensível que queira recuperar, não hesite em contactar-nos.

As unidades de fita de backup (cópia de segurança) são unidades de armazenamento sequenciais, o que as torna muito mais lentas do que outras unidades de armazenamento amovíveis, mas continuam a ser a melhor escolha quando se trata de capacidade e preço.

As fitas de backup permitem-nos fazer um backup completo sem ter de mudar a unidade de armazenamento durante todo o processo, devido à sua grande capacidade de armazenamento. No caso de sofrer qualquer perda ou problema, somos capazes de recuperar os dados de backup nas melhores condições.

Recuperação de dados de fitas de Backup de toda tipologia

DLT (Digital Linear Technology – técnologia lineal digital) fitas de meia polegada de largura com partículas metálicas nas quais os dados são registados seguindo um padrão serpentino em pistas paralelas agrupadas em pares.

Com este sistema, quando o processo de gravação chega ao final da fita, o primeiro lote de faixas foi gravado e depois as cabeças mudam de posição e a série seguinte de faixas são gravadas aproveitando o movimento inverso da fita, e assim sucessivamente até a fita estar cheia. Actualmente, a maioria das unidades que utilizam esta tecnologia têm entre 128 e 208 pistas.

Além disso, o tipo de cabeça utilizada nestas unidades e o processo de arrastar a própria correia minimizam o desgaste da fita, prolongando a vida total da fita.

Fitas DAT: Foram criados como um formato áudio com qualidade de CD, mas em 1998 SONY e HP definiram o padrão de armazenamento de dados digitais, aplicando esta tecnologia ao armazenamento de dados.

As unidades DAT utilizam uma fita de 4mm e o sistema de gravação é semelhante ao das fitas de vídeo, sendo mais lento que a tecnologia linear, pelo que só é utilizado quando a capacidade é mais importante.

A fita sai de um cartucho de dois carretes e é enrolada num tambor cilíndrico com duas cabeças de leitura e duas cabeças de escrita posicionadas alternadamente, de modo a que a cabeça de leitura verifique o que está escrito.

A primeira cabeça de escritura regista e a segunda cabeça (de leitura) verifica os dados, a terceira regista num ângulo de 40° em relação à primeira gravação e a quarta verifica. Embora os dados sejam cruzados, a polaridade é diferente, de modo que os dados só podem ser lidos pela cabeça correspondente, para que com esta técnica de cruzamento mais dados possam ser armazenados na mesma quantidade de fita.

As fitas DAT estão em formato DDS e DataDAT. O protocolo DDS é o mais comum.

Open chat
Necessitas ajuda?