Especialistas na recuperação de sistemas RAID

sistemasraidPara a OnRetrieval, recuperar dados de RAID em qualquer das suas configurações (RAID 0, RAID 5, RAID 1, RAID 5EE, RAID 10, RAID 6, etc.) é uma tarefa frequente. Contamos com a infraestrutura necessária, os engenheiros certificados para alcançar de forma rápida e profissional, uma recuperação de dados RAID completa.

Facilitamos o processo de recolha gratuita em qualquer ponto de Portugal ou a entrega em qualquer um dos nosso escritorios. Imediatamente após a receção no nosso laboratório, efetuamos um diagnóstico urgente do sistema RAID avariado totalmente GRÁTIS. Se não recuperamos, não cobramos. Para esta análise, não precisamos de retirar os servidores ou NAS da sua empresa, pois a nossa tecnologia permite obter os parâmetros necessários para visualizar o sistema sem termos acesso ao controlador original. Recuperar dados RAID nunca foi tão rápido e fiável.

Temos mais de 13 anos de experiência em recuperação de sistemas RAID e queremos convidá-lo a ler os testemunhos de alguns dos nossos clientes que passaram por situações de perda de dados RAID e recuperam a totalidade em menos de 4 horas, graças ao nosso plano urgente. Se assim o desejar, pode visitar o nosso blogue, onde encontrará casos reais de recuperação de dados RAID: Recuperar RAID, Recuperar dados NAS, Recuperação de sistemas RAID.

 

Recuperar dados RAID ao seu nível


O que é um sistema RAID? Um sistema RAID (Redundant Array of Inexpensive Disks; Conjunto Redundante de Discos duros) é um sistema de armazenamento, no qual as informações se distribuem ou duplicam para várias unidades de armazenamento. Existem meios de implementação ou níveis RAID diferentes, sendo que cada um deles tem uma finalidade e caraterísticas diferentes. Na OnRetrieval, dispomos de múltiplas técnicas, desenvolvimentos e equipamentos específicos para recuperar sistemas RAID, qualquer que seja o nível RAID do sistema.

 

Tipos de RAID:


  • Recuperar RAID 0
    Neste modo, o sistema RAID combina todos os discos rígidos num só, cuja capacidade totaliza a soma de todos os discos. Desta forma, se fizermos um sistema RAID com 4 discos rígidos de 40 GB, o sistema será um único disco rígido com 160 GB. Além disso, os dados são repartidos por todos os discos rígidos para que a velocidade de acesso também aumente, pois os dados são lidos de todas as unidades em simultâneo.
    O principal problema do RAID 0 é que uma falha num dos discos rígidos implica a perda de todos os dados, pois estes foram repartidos igualmente por todas as unidades.
  • Recuperar RAID 1
    Neste modo, todos os discos rígidos contêm exatamente os mesmos dados e, por isso, se um deles falhar, é possível recuperar a totalidade da informação armazenada porque também está copiada nos restantes discos.
    Este modo é ideal para sistemas em que a informação é alterada constantemente e naqueles de que não seria possível efetuar cópia de segurança porque teria de ser feita frequentemente para que fosse útil.
  • Recuperar RAID 10 / 0 + 1
    Estes modos são uma combinação dos anteriores. Existe alguma redundância perante um sistema de espelho, temos o conjunto de discos para conseguir uma maior capacidade e velocidade. Estes dois são o mesmo, mas de forma ligeiramente distinta: enquanto o RAID 0+1 é um par redundante de duas unidades agrupadas, o RAID 10 é um conjunto de pares redundantes. A diferença é que, em caso de falha de uma unidade, o sistema RAID 0+1 é mais vulnerável a falhas sucessivas
    Porquê? Se falhar um disco num sistema RAID 0+1, perde-se a redundância, pois um dos espelhos está corrompido (recordemos que primeiros agrupamos os discos em dois conjuntos, tratando cada um deles como um único disco). Assim, basta que falhe outro disco para que ser perca todos os dados (se falhar outro disco, será dentro do grupo espelho, porque os do primeiro espelho – que é onde já falhou um – não estará a ser utilizado, por isso, não tem motivos para falhar). No entanto, num sistema RAID 10, cada disco tem a sua própria cópia (porque existe agrupamentos de discos em pares e cada grupo é convertido num único disco com espelho. Este conjunto de pares de discos espelhos é convertido num único disco com maior capacidade). Assim, é possível perder dados se falhar um disco e o respetivo espelho. Se em vez do disco espelho falhar outro qualquer, o sistema continuará a funcionar, porque cada disco avariado terá o seu próprio espelho em perfeito estado de funcionamento.
  • Recuperar RAID 5
    Este modo é também uma combinação dos modos 0 e 1, mas procura-se obter mais capacidade do que fiabilidade. À semelhança do RAID 0, os dados são repartidos entre todas as unidades, mas é calculado um bit de paridade. Estes bits de paridade são repartidos por toda a unidade do array. A manutenção desta tabela diminui um pouco o rendimento, mas oferece um nível de redundância que não existe no RAID 0. Se falhar um disco no modo RAID 5, é possível recuperar os dados que continha graças aos dados dos restantes discos, à tabela de bits de paridade e a um pouco de matemática binária.
    A capacidade de uma unidade de RAID 5 depende fundamentalmente do número de discos no array. Os bits de paridade utilizam tanto espaço de armazenamento como um disco rígido do conjunto, por isso se tivermos um total de quatro discos, a capacidade do conjunto totalizará a soma de três discos físicos.